Explorando a Essência - Colheita do Guaraná / by Ana Catarina

No fim de novembro de 2016, tive a oportunidade de embarcar com a Má Werneck, uma das surfistas que mais admiro e tenho a honra de conviver, numa experiência que nunca imaginaria vivenciar: conhecer de perto o plantio de Guaraná, na Amazônia!

Fomos com um grupo de mais ou menos 12 pessoas, chegando por Manaus! De lá, pegamos um barcão rio adentro e ahhh.. não vou entrar nesses detalhes, porque o video conta de uma forma mais interessante! Fizemos dois episódios pro canal do Youtube da Marina, editados pelo meu amigo do peito Erick Figueiredo!

Episódio I.

Episódio II.

Bom, o que falar sobre a experiência? Indescritível, não só por conhecer mais a fundo como funciona a produção do Guaraná Antarctica. Voltei com umas conclusões meio loucas, mas nesse ritmo frenético que vivemos, fluímos num modo automático onde deixamos passar muitos detalhes legais. O primeiro é que o Brasil é um dos poucos países onde pode ser encontrada essa frutinha exótica, se unindo a Peru e Colômbia nessa produção. mas nesse caso, "a grama do vizinho não é mais verde", porque o nosso guaraná é mais gostoso, sim!

Além disso, a Antarctica é responsável por dar as mudas da fruta aos pequenos produtores da região, que plantam, colhem e depois vendem a fruta para a própria Antarctica. Tivemos o prazer de conhecer um desses pequenos produtores, o Natanael, que inclusive nessa campanha "As mãos de Maués", podia-se ler nas latinhas a história deles. Sim, eles existem. Achei o máximo esse storytelling ser real, já que muitas vezes algumas marcas criam seus próprios personagens e os consumidores acreditam. O Ramon, funcionário da Fazenda Santa Helena que fez wakeboard no episódio II, entrou na empresa com o principal objetivo de ser visto pela Antarctica e aproveitar o embalo da marca em apostar em talentos dos esportes da água. Filmar essa sessão de wake foi incrível, o cara quebra! Tomamos uns esporrinhos de leve quando andamos na caçamba da caminhonete na fazenda, ou sempre chegávamos por último filmando alguma coisa que achávamos interessante (tipo tudo!) e, claro, quando a Má, sendo juíza do Concurso Miss Guaraná, que movimenta a região e cujas candidatas se preparam o ano todo, esqueceu de dar nota pra uma candidata e estragou tudo! Mas a gente foi muito feliz lá! Confesso que toda vez que pulava no rio pra fotografar, tinha medo de jacaré! Vimos muitos botos rosas pelo caminho, mas muitos, sentimos a umidade da floresta e o calor ao mesmo tempo, comemos formiga com gostinho de perfume, peixes típicos e umas comidas que não conseguia falar o nome! Vimos e nos pintamos com urucum, com aquela cor colorada e forte dela! Bom pra fazer o teste do banho no dia seguinte! Ah, e tomei muito suco de cupuaçu!

A fruta é linda, amei as poucas fotos que fiz lá e com certeza foi uma das experiências e oportunidades mais incríveis que tive na vida, ao lado de pessoas maravilhosas e no pulmão do mundo que é a nossa Amazônia!